domingo, 25 de janeiro de 2009

CHAC - Interior de São Paulo apresenta espetáculo com altíssimo rigor técnico e criativo


(foto divulgação)

Numa época onde se fala muito no incentivo e financiamento da arte no Brasil, surge em Bauru, interior de São Paulo, um espetáculo que, mesmo sem financiamento e leis de incentivo, pode ser considerado como um dos grandes representantes da melhor arte contemporânea produzida nas grandes capitais das nossas terras tropicais.Trata-se de Chac, espetáculo de dança criado e ensaiado pelo coreógrafo João César Barbosa que há muito vem se dedicando e se especializando na pesquisa e no desenvolvimento da dança.
A história de Chac é inspirada na lenda mitológica que apresenta o deus da chuva e da agricultura na civilização dos Maias, formado por quatro divindades separadas e representadas pelos quatro pontos cardeais. Foi essa divindade que, segundo a lenda, ofertou a primeira muda de milho ao povo maia.Mesmo seguindo o padrão clássico de criação cênica, ou seja, um espetáculo criado a partir de um roteiro linear e previamente estabelecido, Chac mistura tendências e estilos da dança contemporânea a partir de uma base clássica, principal formação do coreógrafo João César Barbosa. Formações acrobáticas desenham cenas no vazio poético do palco. Linhas bem definidas e composições geométricas criativas fazem de Chac um colírio para os nossos olhos sempre tão críticos e ávidos pelo acabamento estético.


(foto divulgação)

O elenco, formado por quatro jovens bailarinos, mostra em cena um altíssimo nível técnico, fruto de bastante trabalho dedicado entre aulas e ensaios ministrados por João César para uma academia da cidade. Os bailarinos Carlos Posso, Fábio Merlin, Júlio Segato e Vitor Salvadeo, donos de corpos bem treinados e bastante disponíveis dão um show de presença cênica e crescem no palco do teatro municipal da cidade de Bauru.

Como todo profissional que trabalha, anseia e se alimenta com imagens, minha fome estética se satisfez com a poética visual construída por João césar que apostou no corpo todo o potencial criativo para a comunicação visual da coreografia. Mesmo a sensualidade das malhas que compunha o figurino, pintadas artesanalmente pelo estilista Alexandre Granai, não falaram mais alto que o discurso visual do corpo. Chac é lindo e me emocionou.

Fica aqui o registro desse trabalho e a indicação para os investidores que procuram uma arte de qualidade para associarem seus nomes e de suas empresas. Chac é uma promessa bastante promissora para o que há de melhor e mais sensível na arte do Brasil.

Eu aposto.

(foto divulgação)

FICHA TÉCNICA:

Roteiro, preparação corporal e coreografia: JOÃO CESAR BARBOSA

Pintura do figurino: ALEXANDRE GRANAI

Elenco: CARLOS POSSO, FÁBIO MERLIN, JÚLIO SEGATO e VITOR SALVADEO.

6 comentários:

Daniela disse...

Parabéns Joao!!!

Infelizmente nao pude conferir ao vivo, mas tenho certeza que foi mais um trabalho maravilhoso!
As fotos estao demais!

beijo grande

naty disse...

Belas fotos, belos corpos, bela arte e bela alma!

Rosangela disse...

Maravilhoso, como tudo o que voce faz!...gostaria de assistir novamente seus trabalhos. Me fala quando tiver algum em cartaz ok!
Bjs

Figurino e Cena disse...

Daniela, Naty e Rosangela, obrigado pela paricipação no Blog. Espero que o João e toda equipe do CHAC tenham lido os comentários carinhosos de vocês três.
Abraços, voltem sempre ao Blog.
Paulo Vinícius.

Kellen ♥ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kellen ♥ disse...

Olá!!! Parabéns João...
Otimo trabalho... tive a honra de assistí-lo e amei,sua coreografia é maravilhosa e esses bailarinos são excelentes,pois conseguem expressar através dos movimentos tanta emoção que o resultado não poderia ser outro.
Parabéns meninos...e mto sucesso!!!
sou uma eterna admiradora de vcs...
beijos ♥♥♥