domingo, 1 de fevereiro de 2009

PAULO BISCAIA: Diretor curitibano é o responsável pela Companhia que mais forma platéia na cena contemporânea em Curitiba.



(HITCHCOCK BLONDE - foto de Daniel Sorretino)

DE CINEASTA PARA DIRETOR TEATRAL
Paulo Biscaia, um importante diretor em Curitiba, se afastou do teatro por quatro anos. Esse “hiato” aconteceu no período correspondente entre o ano de 1999 e 2003, quando estreou MORGUE STORY. Durante esse tempo ele esteve estudando os recursos do áudio-visual. Sorte nossa, do público de teatro, que podemos assistir a um dos encenadores que melhor se relaciona com a projeção em vídeo da contemporaneidade. De 2004 para cá, Paulo Biscaia mescla, na dramaturgia e encenação dos seus espetáculos, diálogos bem executados entre projeções e atores, cria cenários e paisagens visuais e instaura pura poesia visual diante dos nossos olhos. Olhos que esperam para ver o que o Biscaia vai inovar na próxima montagem. Paulo faz isso melhor do que ninguém, principalmente por ser ele mesmo o técnico de montagem.
Ainda quando era adolescente, Paulo sonhava em ser diretor de cinema. Seu interesse era pela linguagem cinematográfica. Como o teatro era o caminho que mais se aproximava do cinema, naquela ocasião por motivos pessoais, foi cursar a antiga Faculdade de Teatro da PUC-Paraná, hoje FAP – Faculdade de Artes do Paraná, instituição onde ele é educador.
Fui seu aluno na disciplina Evolução do Teatro. Talvez o melhor conteúdo de suas aulas fossem as referências que ele nos trazia. Estudamos de José Celso Martinez Correia até Gerald Thomas, só para citar alguns dos brasileiros selecionados.
A linguagem em quadrinhos, uma de suas importantes fontes de inspiração, é uma paixão antiga. Desde a adolescência ele se interessa por eles. É sobre eles que, nesse ano de 2009, ele pesquisará a vida e principalmente a obra de Carlos Zéfiro, pseudônimo de Alcides Caminha, que é o criador das Revistinhas ou dos Catecismos, que tanto fizeram a cabeça e as fantasias sexuais dos adolescentes dos anos 50 e 60 e que hoje são famosos pela sua liberdade criativa, principalmente numa época de repressão moral dos instintos sexuais humanos. Tal pesquisa será financiada por uma bolsa de estudos da FUNARTE e resultará na construção de um texto dramático de sua autoria.
Já outras referências das linguagens artísticas, apresentadas por Paulo Biscaia, aparecem na sua vida segundo a necessidade dos seus espetáculos. O stencil de GRAPHIC, por exemplo, foi uma delas.
Paulo dirige há doze anos a companhia curitibana Vigor Mortis e hoje tem seu lugar garantido nos palcos brasileiros. É bacana saber que seus espetáculos são produzidos e montados em Curitiba. É bacana poder indicar seus espetáculos para os amigos que vem me visitar em Curitiba. Sempre existe assunto para se falar no jantar depois da sessão. Aliás, quando alguém que deseja cultivar o hábito pelo teatro e me consulta por onde começar, não tenham dúvida, é o trabalho que o Paulo realiza junto da Vigor Mortis que está na ponta da língua. Até hoje não errei.
Vida longa a sua criação!


(GRAPHIC - foto divulgação)



VIGOR MORTIS
Prestes a estrear o espetáculo HITCHCOCK BLONDE no Rio de janeiro, em turnê de duas semanas, o diretor lembra de qual era o objetivo principal da companhia ainda quando estava para estrear MORGUE STORY, ou seja, queria se dedicar à um teatro que realmente agradasse ao público. Com essa preocupação, Paulo acreditava que não adiantava simplesmente virar as costas para o desinteresse do público pelo teatro. Desde então passou a se dedicar por uma linguagem que realmente se comunicasse com o possível público que estava cansado de buscar nos espetáculos, além da qualidade técnica e artística, uma feliz oportunidade de entretenimento. Entre tantos, talvez esse seja o grande motivo que garanta a Vigor Mortis casa lotada nas sessões colocadas em cartaz na cidade de Curitiba. O público já está acostumado a comprar antecipadamente os ingressos para os espetáculos da Vigor, porque sabe que se deixar para a última hora, pode voltar para a casa sem conseguir entrar no teatro.
A companhia foi fundada em 1997 com o espetáculo PEEP, ATRAVÉS DOS OLHOS DE UM SERIAL KILLER, de lá para cá vieram DCVXVI – EIS O FILHO DA LUZ (em 1999) , MOBY DICK E AHAB NA TERRA DO SOL (2004), MORGUE STORY – SANGUE, BAIACU E QUADRINHOS (também em 2004), SNUFF GAMES (Outubro de 2004), GRAPHIC (2005), PINCÉIS E FACAS (2006), DIMENSÃO DESCONHECIDA (também em 2006 em parceria com o grupo Antropofocus), GAROTAS VAMPIRAS NUNCA BEBEM VINHO (2007), HITCHCOCK BLONDE (2008) e SANTA E DOMÊNICA (Também em 2008).
A turnê de HITCHCOCK BLONDE no Rio estréia dia 05 e vai até o dia 15 de Fevereiro no Teatro Nelson Rodrigues.




(MORGUE STORY - foto divulgação)

PROJETOS PARA 2009
Além da turnê no Rio, a Vigor Mortis prepara para 2009 outra turnê de HITCHCOCK BLONDE em Brasília para o mês de Abril e o lançamento oficial nos cinemas de MORGUE STORY – O FILME que irá integrar a programação oficial do Swansea Bay Film Festival, em Swansea, País de Gales, Reino Unido. O festival acontecerá entre 30 de maio e 06 de junho. Coisa de gente grande, entendem?
Dois novos espetáculos serão levados aos palcos: NERVO CRANIANO ZERO em Setembro e MANSON SUPERSTAR em dezembro, minha primeira parceria profissional com a Vigor onde estarei assinando o cenário e o figurino do espetáculo.
A notícia bomba para esse início de ano, divulgada em primeira mão pelo Blog Figurino e Cena, é o teste de elenco onde a Vigor estará selecionando uma atriz para participar da próxima montagem que tem estréia marcada para o dia 16 de Julho em Curitiba, portanto atrizes interessadas devem se informar sobre datas e condições do casting no site da companhia. Corram!
Uma outra novidade para 2009 é o lançamento de VIGOR MORTIS COMICS, onde os personagens dos principais espetáculos ganharão versão em quadrinhos com textos do Paulo Biscaia e ilustração dos mesmos desenhistas que fizeram a programação visual de MORGUE STORY e GRAPHIC: José Aguiar e DW.
Quando pergunto ao Paulo, se ele já pode adiantar algo dos novos trabalhos, ele me responde que costuma comparar os integrantes da Companhia com uma banda de rock e que, portanto, duas das “músicas” mais pedidas para os próximos trabalhos são as projeções, que não poderiam faltar, e muito sangue.
Aguardamos ansiosos.

Maiores informações sobre a Vigor Mortis e os novos projetos no site: http://www.vigormortis.com.br/

7 comentários:

Kim disse...

Gostei! As peças da Vigor Mortis são realmente sensacionais!! parabéns!!

Melissa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Melissa disse...

Parabéns Paulo, gostei muito do texto.
Agora falta você escrever um pouco sobre música,né?
Sorte e sucesso!
Beijos.

Figurino e Cena disse...

Obrigado Kim!
Querida Melissa, é sempre bom poder ler um comentário seu. Obrigado pela participação constante. Bacana você ter falado sobre a música, saiba que ja fiz o convite para um grande músico de Curitiba e estou preparando uma entrevista para breve.
Beijo e abraço para vocês!

Dani Lispector disse...

"Irei até onde o ar termina, irei até onde a grande ventania se solta uivando, irei até onde o vácuo faz uma curva, irei onde meu fôlego me levar."

Clarice Lispector in A Hora da Estrela

João disse...

Parabéns pelo blog ,você continua determinado e ,com grande vigor ,empreendedor e inteligência .
Parabéns pelo sucesso ,que será cada vez maior.PARABÉNS
Vianei

Figurino e Cena disse...

Eba!! Beijo no coração querido, obrigado pelas palavras e pelo carinho de sempre. Fique sempre por perto.
Beijão.